Caro usuário, este site utiliza cookies para ajudar a fornecer a melhor experiência on-line possível. Leia nossa Política de Privacidade para saber mais sobre as informações que coletamos em nosso site e sua finalidade. Ao continuar a usar este site, você concorda que podemos armazenar e acessar cookies no seu dispositivo.

IMPRENSA

31/10/2019IMPRENSA, Noticias, São Paulo

4a Reunião da Mesa Executiva de Construção Civil

Governo e iniciativa privada debatem ações para melhorar o mercado e fazer avançar a produtividade no setor

O Ministério da Economia, por meio da Secretaria de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação (SDIC), realizou nesta quarta-feira, 30/10, em Brasília, a 4a Reunião da Mesa Executiva de Construção Civil. O objetivo foi apresentar aos presentes, e abrir para debate, os avanços dos temas propostos pela Mesa e acompanhados pela SDIC. O encontro foi conduzido pelo titular da SDIC, Gustavo Ene, e contou com a participação, pela iniciativa privada, do presidente da ABCP/SNIC, Paulo Camillo Penna, Rodrigo Navarro (Abramat), Vinicius Morais Júnior (Gerdau Aço Brasil), Geraldo Eduardo e Georgia Grace (CBIC), Vladimir Iszlaji (Abrainc) e André Luiz Schuring (Confea).

A reunião teve como pauta os avanços em temas de interesse da construção civil, como o Chamamento Público nº 03/2019 (edital do Ministério da Economia que propõe apoio da administração pública federal para a execução de projetos com vistas ao ganho de produtividade e competitividade do setor de construção civil); a questão dos juros e do mercado imobiliário; a inclusão do BIM no Programa Prioritário de Investimentos em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação na Zona Franca de Manaus (SDIC/SIN); e o Marco Regulatório do Saneamento. Também incluiu a revisão do SINAPI e da Lei de Licitações (Lei 8.666/93), entre outros tópicos.

O presidente da ABCP destacou que “é fundamental rediscutir a Lei de Licitações tendo em mente a importância da qualidade e durabilidade das obras, o que um pregão por preços não considera”. Paulo Camillo também apresentou um panorama da situação da indústria do cimento e enalteceu o papel desempenhado por ela na crise ambiental no Nordeste do país, ao propor que o óleo que atinge as praias brasileiras seja utilizado como combustível alternativo na produção de cimento, o que já vem sendo feito pelas indústrias instaladas na região.

Tags:, , , ,