Caro usuário, este site utiliza cookies para ajudar a fornecer a melhor experiência on-line possível. Leia nossa Política de Privacidade para saber mais sobre as informações que coletamos em nosso site e sua finalidade. Ao continuar a usar este site, você concorda que podemos armazenar e acessar cookies no seu dispositivo.

Artigos

02/08/2018Artigos, IMPRENSA

A nova norma de especificação de cimento ABNT NBR 16697: saiba o que mudou e o que não mudou

A norma de especificação do Cimento Portland ABNT NBR 16697 traz várias novidades, dentre elas, seguindo tendência internacional, a unificação em um só documento dos requisitos atualizados das antigas especificações, a saber:

  • Cimento Portland Comum – CP I e CP I-S (ABNT NBR 5732)
  • Cimento Portland Composto – CP II (ABNT NBR 11578)
  • Cimento Portland de Alto Forno – CP III (ABNT NBR 5735)
  • Cimento Portland Pozolânico – CP IV (ABNT NBR 5736)
  • Cimento Portland de Alta Resistência Inicial – CP V ARI (ABNT NBR 5733)
  • Cimento Portland Resistente a Sulfatos – RS (ABNT NBR 5737)
  • Cimento Portland de Baixo Calor de Hidratação – BC (ABNT NBR 13116)
  • Cimento Portland Branco – CPB (ABNT NBR 12989)

Outras inovações consistiram na incorporação de práticas já adotadas pelo setor de cimento nos últimos anos. São elas:

  • Eliminação da menção do peso da sacaria (sacos de 50 kg) na norma, a exemplo das normas internacionais. Esclarece-se que isso não desobriga essa inscrição nos sacos, que devem conter a informação da massa líquida do produto. Atualmente existem sacos de 50 kg, 40 kg e 25 kg, sendo este último o padrão a vigorar futuramente, conforme acordo recente com o Ministério Público do Trabalho;
  • Redução de 2% para 1% da massa líquida declarada do saco em atendimento à Portaria No248, de 17 de julho de 2008 do MDIC / INMETRO.
  • Eliminação do ensaio rotineiro de CO2, passando a ser ensaio facultativo. O controle da adição calcária passa a ser feito pelo ensaio químico de Perda ao Fogo (PF) como em âmbito mundial se pratica.
  • Inclusão do prazo de validade e composição qualitativa do produto, atendendo assim o Código de Defesa do Consumidor, CDC, Lei 8078.

 

Outra importante inovação diz respeito ao aumento do teor de adição de filer calcário nos vários tipos de cimento.Essa modernização visa a um alinhamento com padrões normativos internacionais e atende aos direcionamentos da Agência Internacional de Energia (IEA) e da Iniciativa pela Sustentabilidade do Cimento (CSI), que incentivam a adoção de alternativas ou tecnologias mais avançadas para diminuir emissões específicas de CO2por tonelada de cimento. Atende assim às premissas recomendadas pelo Cement Technology Roadmap Brazil 2050, a ser lançado em setembro próximo.

O que não mudou na nova norma foram os requisitos físicos, reológicos e mecânicos, representados pelos valores de resistência à compressão nas diferentes idades de controle, tempos de pega, finura e expansibilidade. As tabelas a seguir sintetizam os requisitos para os diversos tipos de cimento tratados na ABNT NBR 16697:

A nova norma pode ser adquirida no site da ABNT por meio do link http://www.abntcatalogo.com.br/

Tags:, , ,