Caro usuário, este site utiliza cookies para ajudar a fornecer a melhor experiência on-line possível. Leia nossa Política de Privacidade para saber mais sobre as informações que coletamos em nosso site e sua finalidade. Ao continuar a usar este site, você concorda que podemos armazenar e acessar cookies no seu dispositivo.

Cimento na Mídia

23/07/2019Cimento na Mídia, IMPRENSA

Cimento: apoio à sustentabilidade

A indústria do cimento e todo seu compromisso com a mitigação do impacto ambiental da atividade foram tema de capa da edição 192, ano 2019, da revista “Saneamento Ambiental”. A reportagem “O esforço da indústria brasileira do cimento para reduzir as emissões de CO2” traz um panorama abrangente das diversas ações da indústria nesse tema.

O presidente da ABCP e do SNIC, Paulo Camillo Penna, destaca na matéria que a indústria brasileira possui um dos menores níveis de emissão de CO2 por tonelada de cimento produzida e segue no propósito de reduzir sua intensidade carbônica em 33% até 2050. O setor conta, no Brasil, com 100 fábricas, sendo 64 integradas (abrangem todo o ciclo de produção) e 36 moagens (sem fornos). Mas parte desse parque industrial está fechada, o que representa uma capacidade ociosa de 47%.

A matéria registra o pioneirismo da indústria do cimento em relação à questão ambiental e ao próprio conceito de sustentabilidade, ao destacar o processo de adição de outros materiais ao clínquer, iniciativa tomada desde os anos 20. E mais recentemente, lembra a matéria, a indústria nacional iniciou o desafiador projeto do Roadmap da Indústria do Cimento, em parceria com a Agência Internacional de Energia, Conselho Empresarial de Desenvolvimento Sustentável e Banco Mundial.

Enquanto a indústria mundial de cimento respondeu, em 2018, por 7% das emissões globais de gás carbônico, as indústrias cimenteiras do Brasil geraram apenas 2,6%. “Efetivamente temos um compromisso de reduzir ainda mais essas emissões e não apenas pela preocupação ambiental – temos percepção de que essa vulnerabilidade precisa ser reduzida”, disse Paulo Camillo. Ele acrescentou que o processo de precificação de carbono está avançando e os países vizinhos (Chile, Argentina, México) já implantaram uma política de taxação, que pode ser via tributação ou preço de mercado. “Temos conhecimento também de que o Ministério da Fazenda e o Banco Mundial estão trabalhando no assunto com o propósito de buscar uma redução significativa das emissões”, informa o presidente da ABCP/SNIC.

Leia a reportagem completa: Revista Saneamento Ambiental – nº 192 – 2019

Tags:, , ,