Caro usuário, este site utiliza cookies para ajudar a fornecer a melhor experiência on-line possível. Leia nossa Política de Privacidade para saber mais sobre as informações que coletamos em nosso site e sua finalidade. Ao continuar a usar este site, você concorda que podemos armazenar e acessar cookies no seu dispositivo.

IMPRENSA

08/04/2013IMPRENSA, Noticias, São Paulo

Rio Claro terá bairro saudável por meio de iniciativa inédita no Brasil

As iniciativas públicas e privadas, juntamente com o terceiro setor, estão se unindo para tornar os projetos habitacionais do Minha Casa, Minha Vida ainda mais atraentes. Neste novo olhar, a unidade habitacional deixa de ser a única preocupação e incorpora a integração da casa com o meio social. Em Rio Claro está sendo colocado em prática um piloto nestes moldes e, para isso, foi firmado no dia 4 de abril, durante o 57º Congresso Estadual de Municípios, em Santos, um convênio entre a Prefeitura da cidade, Grupo Cobansa e o projeto Mulheres que Constroem, com orientação técnica da Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP).

A assinatura contou com a presença de vereadores e do prefeito de Rio Claro, Palmínio Altimari Filho, além de representantes do Cobansa, do Mulheres que Constroem e da ABCP

O convênio prevê a construção de mil unidades habitacionais destinadas a famílias com renda mensal menor do que R$ 1.600 e de uma creche para atender à demanda dessas novas famílias, além de promover a capacitação de mão de obra feminina e o desenvolvimento de um projeto técnico de mobilidade urbana voltado para o empreendimento, nos conceitos de sustentabilidade de um Bairro Saudável. A ideia é que o conceito utilizado para a concepção do empreendimento seja um modelo a ser seguido pelas administrações públicas de outras cidades.

 

O sistema construtivo faz a diferença

Um dos diferenciais do piloto em Rio Claro é o sistema construtivo. Com a adoção das estruturas pré-moldadas de concreto, as unidades habitacionais – que inicialmente foram planejadas para contemplar, em sua maioria, famílias inseridas na Faixa 2 do programa Minha Casa Minha Vida -, tiveram seu custo global reduzido. Isso possibilitou uma readequação do projeto, que passou a privilegiar 70% de famílias de renda mais baixa, da Faixa 1. “A utilização desses sistemas construtivos industrializados permite o retorno antecipado do investimento, pois a execução do cronograma torna-se mais dinâmica. Além de melhorar a gestão, aumentando a produtividade e a competitividade, os sistemas reduzem os desperdícios e, desta forma, permitem uma redução significativa do custo da obra”, analisa Mario William Esper, gerente de Relações Institucionais da ABCP.

Com a expertise no desenvolvimento de programas voltados para a infraestrutura, a atuação da ABCP prevê orientação técnica para a elaboração do projeto de mobilidade urbana do empreendimento, incluindo calçadas inteligentes, ciclovias e a utilização de pavimento permeável, bem como a otimização de custos do sistema construtivo.

 

“Chefas” de família

Muitas das famílias que serão beneficiadas pelas novas unidades são chefiadas por mulheres. Pensando nisso, o convênio conta com a participação do projeto Mulheres que Constroem, do Instituto Construa, liderado pelo Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil (Sintracon/SP). O projeto será responsável pela capacitação e orientação das mulheres para que elas possam realizar as melhorias que a casa demandará com o passar do tempo.

Tags:, , , ,