Caro usuário, este site utiliza cookies para ajudar a fornecer a melhor experiência on-line possível. Leia nossa Política de Privacidade para saber mais sobre as informações que coletamos em nosso site e sua finalidade. Ao continuar a usar este site, você concorda que podemos armazenar e acessar cookies no seu dispositivo.

IMPRENSA

26/12/2020IMPRENSA, Noticias, São Paulo

O adeus ao inigualável professor Vasconcelos

Foto: Divulgação

A engenharia brasileira perde um dos seus patronos

Faleceu na manhã deste dia 25 de dezembro, aos 98 anos, o professor Augusto Carlos Vasconcelos, um dos mais queridos e respeitados engenheiros do Brasil. Trata-se de uma perda inestimável para a engenharia brasileira, que entristece a todos que o conheceram e que muito aprenderam com seus ensinamentos e sua humildade.

A ABCP, entidade técnica representativa da indústria do cimento – matéria-prima do concreto e das estruturas às quais se dedicou o professor Vasconcelos – lamenta profundamente sua perda. Em mais de 70 anos de atividade, transitando pela área de cálculo de estruturas em concreto armado e protendido, ele foi professor, empreendedor, profissional de engenharia e escritor, sempre com brilhantismo e carisma.

“Com tristeza recebo a notícia do falecimento do grande e indescritível Vasco, como carinhosamente o tratávamos. Um dia nos alegramos com a sua presença. Para sempre nos alegraremos com a sua lembrança. Descanse em paz ao lado de Deus e siga sendo mais uma estrela que olha por todos nós e pela engenharia, em especial estrutural em concreto, sua inesgotável paixão”, declarou o diretor de Comunicação da ABCP, Hugo Rodrigues.

Carisma reconhecido

“O ser humano é uma surpresa. Com todo mundo, mesmo com o mais humilde dos trabalhadores, sempre temos alguma coisa a aprender. Ninguém é dono da verdade”, disse o professor Augusto Carlos Vasconcelos em 2012, então com 90 anos, ao ser agraciado como um dos Destaques Abece (Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural) daquele ano, como registrou Nildo Carlos de Oliveira em artigo da Revista OE.

“Difícil, muito difícil, o Vasco, como afetivamente nós o chamávamos é imortal. Alegria, energia de vida, prazer em desfrutar e usar toda a inteligência privilegiada que tinha para fazer amigos, mostrar soluções, defender a tecnologia do concreto, simplificar as estruturas complexas. Tinha o dom da simplicidade e uma humildade altiva e luminosa. Sem querer, nós que o conhecemos, nos curvamos muitas vezes a suas ponderações e soluções brilhantes”, disse o professor Paulo Helene, diretor presidente da PhD.

Carreira

Formado pela Escola Politécnica da USP em Engenharia Civil (1948), o professor Vasconcelos sempre se dedicou a estruturas, primeiramente como estagiário, depois como engenheiro auxiliar da Seção de Verificação de Estruturas do IPT e finalmente com escritório próprio de cálculo estrutural durante 30 anos.

Na temporada de estudos na Alemanha, para defesa do doutorado, nos anos 1954/55, teve contato com o concreto protendido, tema que ensinou no curso de Engenharia Civil da Universidade Mackenzie, em sua volta ao Brasil. A partir daí montou um escritório de cálculo estrutural de concreto protendido e ingressou no campo industrial com a Protendit, primeira empresa brasileira de estruturas pré-moldadas de concreto protendido de fio aderente.

Possuidor de vários prêmios e homenagens ao longo da vida, seu trabalho em prol do desenvolvimento do setor é inquestionável. Era figura assídua nas reuniões e eventos da Abece, Instituto de Engenharia e Ibracon (Instituto Brasileiro do Concreto), do qual era sócio honorário e conselheiro por muitos anos.

Como autor e coautor, escreveu dezenas de artigos e 17 livros sobre engenharia estrutural, todos considerados obras de admirável contribuição para a bibliografia nacional e internacional, com destaque para “O Concreto no Brasil” (4 volumes), “Pontes Brasileiras: Viadutos e Passarelas Notáveis” e “Estruturas da Natureza”.

>> Veja aqui a biografia e a bibliografia do professor Augusto Carlos Vasconcelos.

Tags:, , , , ,